segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Uma excelente prenda de Natal para amantes de livros

  O livro da semana da Editorial Presença é o Pack Guerra e Paz, em que os quatro livros ficam a cerca de 40€. Se conjugada com a campanha Este Natal é por nossa conta, ainda pode dar direito a 20€ em conta cliente para gastar em 2011.

  Tendo como pano de fundo um cenário de guerra, com a invasão da Rússia por parte das tropas Napoleónicas, esta novela épica apoia-se em episódios ficcionais e históricos sobre aquele país, num momento de profunda convulsão, e surge como uma reflexão sobre a vida humana e a sua frágil existência. Nesta obra grandiosa, as personagens amam, odeiam e lutam, mas acima de tudo anseiam por encontrar o sentido da vida. Tal como elas, também Tolstói se confrontou inúmeras vezes com a sua própria condição enquanto ser humano, refugiando-se a dado momento numa fé e religiosidade profundamente vincadas. Tolstói deixou-nos um valiosíssimo legado literário e o seu nome perfila ao lado de outros grandes vultos como Shakespeare ou Homero.
A presente obra foi traduzida directamente do russo por Nina Guerra e Filipe Guerra que, pela excepcional qualidade do seu trabalho, venceram o Grande Prémio de Tradução Literária APT/Pen Clube Português.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

A compra (única) do mês


  The editor-in-chief of The Washington Post recounts his life and career in journalism, from his early friendship with Senator John F. Kennedy to his famous role in the Watergate investigation.

  Usado, em bom estado, foi a primeira compra que fiz pelo Play.com (3,14€ e com portes grátis). Vale a pena dar uma vista de olhos.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Somos o Esquecimento que Seremos - Hector Abad Faciolince


  Somos o Esquecimento que Seremos é uma revisitação da relação de Hector Abad Faciolince com o seu pai. Únicos homens numa casa de mulheres, Hector Abad Gomez e o filho cedo estabeleceram uma ligação próxima. Um médico que dedicou a quase totalidade da sua vida a tentar transformar o seu país num lugar melhor (acabando por pagar com a própria vida essa escolha), Abad foi a figura de referência no crescimento do filho. Apologista de que o amor deve ser a base de toda a educação (postura encarada como permissiva na altura), é-nos descrito como essa convicção moldou a personalidade do autor. A sua postura cívica desde cedo lhe valeu o rótulo de indesejável em vários sectores, numa Colômbia que começava a resvalar para uma situação de conflito e violência constantes. 

  Parte carta de amor aquele que foi o seu ídolo de toda a vida; parte testemunho do trabalho deste em prol dos direitos humanos, este livro demorou vinte anos a ser escrito. Foi esse o tempo que o autor precisou para colocar em palavras todo um tumulto de emoções e recordações, tanto as ternas como as amargas, em palavras. Sem cair num tom melodramático que queria a todo o custo evitar, a sua escrita é desarmante de tão simples. Transmite a nobreza de carácter do seu pai, sem no entanto esconder o excessivo lirismo de que frequentemente padecia. Partilha connosco as perdas que moldaram a sua família, deixando dolorosamente presente como algumas feridas nunca sararam, nada mais restando senão aprender a viver com a dor infligida. Na fase final do livro, de cariz mais factual, é assustadora a percepção que adquirimos de quão pouco podia valer a vida na Colômbia, sendo o assassinato dos que se opunham às forças governamentais natural e metódico. Mesmo sabendo o que lhes estava reservado, muitos houve que continuaram a lutar pelo acreditavam ser correcto. Abad Faciolince Abad, ainda que a achando para além de si, admira e consagra por escrito essa coragem.

  Caracterizado na sua sinopse como "um livro de grande coragem", esta qualificação não podia ser mais adequada para uma obra que expõe tanto do seu autor, e o obriga a lidar com os seus fantasmas pessoais. Escrito pelas regras de um romance, este título que deve o seu nome a um verso de Borges, foi recentemente reeditado pela Quetzal.

Classificação: 9/10

Título: Somos o Esquecimento que Seremos
Autor: Hector Abad Faciolince
Tradução: Margarida Amado Acosta
Editor: Quetzal
Páginas: 336

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Capas que ficam na retina (3)

Colleen McCullough x2

  Colleen McCullough regressa ao mercado editorial português em dose dupla. A Independência de uma mulher, um spin-off de Orgulho e Preconceito, foi editado pela Bertrand em Outubro. E agora, é o detective Carmine Delmonico quem regressa pela mão da Difel (habitual editora da obra da autora em Portugal), em O Dia de Todos os Pecados, sequela de Um Passo à Frente.




"A Independência de uma Mulher"
Edição: 2010
Páginas: 384
Editor: Bertrand Editora
"Toda a gente conhece a história de Elizabeth Bennet, que se casou com Mr. Darcy em Orgulho e Preconceito. Mas o que aconteceu a Mary, a sua irmã?
Todas as irmãs de Mary conquistaram o seu destino: Jane tem um casamento feliz e uma grande família; Lizzie e Mr. Darcy ganharam uma extraordinária reputação social; Lydia conquistou uma reputação bem diferente; e Kitty é requisitada pelos salões mais luxuosos de Londres. Mary, por outro lado, é uma mulher transformada, agora independente de obrigações familiares. Decide escrever um livro onde põe a nu os males do seu país e o drama dos pobres. Mas as suas viagens de pesquisa irão colocar em risco a sua própria vida - e acabarão por lançá-la nos braços do homem que a inspirou.
Da brilhante escritora Colleen McCullough, autora de
Pássaros Feridos, um livro de aventuras e romance, em que uma mulher forte e independente deixa a sua marca no mundo."



  "O Dia de Todos os Pecados"
Edição: 2010
Páginas: 400
Editor: Difel
 "O ano é o de 1967. A Guerra Fria avança, imparável, e o mundo encontra-se à beira do holocausto nuclear. Num bonito dia de Primavera, na cidadezinha de Holloman, Connecticut, onde fica a Universidade Chubb e a Cornucopia, gigante dos armamentos, o chefe dos detectives, capitão Carmine Delmonico, tem preocupações mais urgentes do que arranjar um nome para o seu filho recém-nascido: deram-se doze homicídios num só dia e Delmonico é arrastado para uma sinistra teia de segredos e mentiras.
Com o apoio dos detectives sargentos Abe Goldberg e Corey Marshall e da meticulosa Delia Carstairs, o novo membro da equipa, Delmonico envolve-se no que parece ser um mistério insolúvel. Os homicídios são todos diferentes e não parecem ter qualquer relação entre si. Estarão na presença de um ou de muitos assassinos? E como se doze homicídios não chegassem, Carmine não tarda a ver-se a braços com o misterioso Ulisses, um espião que entrega aos russos os segredos das armas da Cornucopia. Os homicídios e a espionagem são casos diferentes ou estão ligados?
Quando Ted Kelly, agente especial do FBI, se junta à investigação, parece que o que está em jogo é muito mais do que alguém imaginara e que o homicídio é apenas uma peça do quebra-cabeças de crimes que provocou o pânico em Holloman. Enquanto a sobrecarregada polícia enfrenta as politiquices próprias de uma cidade pequena, a rivalidade académica e a avidez empresarial, o número de mortes aumenta e Carmine e a sua equipa descobrem que as respostas não são o que parecem... Mas alguma vez o serão?
Mais uma vez demonstrando que é mestre em
suspense, a autora de best-sellers Colleen McCullough regressa com uma empolgante sequela de Um Passo À Frente." 

Negócios de ocasião - Winston Churchill


  Para quem tiver interesse na vida de Winston Churchill ao ponto de ler 726 páginas, é aproveitar a promoção de 40% desconto na FNAC online até dia 25 (24,80€ ao invés de 41,34€):

  Foi um dos mais admirados homens políticos do século XX. Mas não era um político de convergências, era antes um radical. Controverso e sem papas na língua, suscitava tanto a admiração como o ódio. Os de esquerda criticavam-lhe a sua tomada de posição contra a revolução soviética, ou a oposição à independência da Índia, enquanto os de direita criticavam o seu antinazismo desde a primeira hora, ou, mais tarde, o apoio a Estaline e a Tito. Mas o seu papel na segunda Grande Guerra foi fundamental, como afirmou De Gaulle: "Winston Churchill impôs-se do princípio ao fim do drama, como o grande campeão de um grande empreendimento e o grande artista de uma grande História." Mas o seu papel político doméstico também foi fundamental. O seu nome está associado a grandes reformas: Serviço Nacional de Saúde, seguros de desemprego, reforma das prisões, pensão para viúvas e órfãos, participação dos empregados nos lucros das empresas, etc. Martin Gilbert, autor desta biografia (a mais aclamada de Churchill), define-o, por isso, assim: "Um verdadeiro crente na necessidade de o Estado tomar parte activa, tanto por meio da legislação como financeiramente, na garantia de padrões mínimos de vida, trabalho e bem estar social para todos os cidadãos." 

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Os livros que não ando a comprar

  Para quem gosta tanto de falar dos livros que compra, dou por mim a falar nos que não comprei. Registei durante o mês de Outubro melhoras notáveis na minha condição de comprador inveterado (em grande parte uma escolha estimulada pelas medidas de contenção que o momento aconselha, mas reclamo de qualquer forma a minha parte do mérito). E quando não se está inebriado pelos novos meninos dos nossos olhos, partimos à redescoberta da nossa biblioteca residente. Qual formiga a preparar-se para o Inverno, fomos acumulando livros e mais livros, como quem salva os últimos representantes de uma espécie em vias de extinção. Por entre os bons negócios que não se podiam perder; a prenda que alguém que nos conhece bem nos deu; e os livros que nos convencemos que haveríamos de querer ler na esperança de ser uma obra-prima, acabamos por encontrar a próxima leitura perfeita. Para quem já tiver acumulado umas boas centenas ou milhares de livros, é certo que uma boa parte dos mesmos estará por ler. É então como mergulhar, em simultâneo, na nossa própria biblioteca, livraria e alfarrabista. O nosso bem mais precioso.

  Como me portei bem, acabei por me oferecer um pequeno mimo: "Manhattan Transfer" de John dos Passos (Presença). Mas com 40% desconto e portes grátis, quem nunca pecou que atire a primeira pedra.

domingo, 14 de novembro de 2010

Maravilhas do casamento...

"É mesmo o teu gato...até ressona."

Citações favoritas de Oscar Wilde


"Always forgive your enemies; nothing annoys them so much."

"One should always play fairly when one has the winning cards."

"I can resist anything but temptation."
"Experience is the name everyone gives to their mistakes."
"A little sincerity is a dangerous thing, and a great deal of it is absolutely fatal."

Para quem tiver curiosidade em conhecer mais citações do autor, é só seguir o link.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde


  Dorian Gray é um jovem de feições extremamente belas, em quem o pintor Basil Hallward encontra a inspiração para realizar a sua melhor obra. Mais do que inspiração, Basil encontra em Dorian um objecto de verdadeiro fascínio. Mas apesar da devoção que lhe é dedicada por Basil, até conhecer o amigo deste, Lord Henry Bottom, Dorian não tem noção da real extensão do seu encanto. Os comentários acintosos de Lord Henry, para além de o despertarem para a sua perfeição física, plantam em si a semente de que na vida nada mais importa do que a beleza e o prazer. O típico dandy, Lord Henry é um cínico, apreciador dos prazeres mundanos e apologista apenas dos valores que sirvam os seus interesses. Teme o enfado acima de tudo, e Dorian Gray, enquanto cobaia psicológica para os seus jogos, providencia precisamente a diversão adequada a evitar essa maleita.

  Quanto mais reflecte sobre a sua beleza, mais Dorian mergulha num caminho de narcisismo. Com a sua beleza, aliada à sua condição privilegiada na sociedade, nada está fora do seu alcance. E quando numa resposta inexplicável a um seu desabafo do desejo de permanecer jovem para sempre, se apercebe que a obra-prima de Basil, um retrato que pintou de si, começa a envelhecer em seu lugar, vislumbra um leque de novas possibilidades. Não haverão rugas de preocupação, tristeza, ou os simples sinais do envelhecimento. Mais do que isso, o quadro parece ter-se tornado um espelho da sua própria alma. As consequências das escolhas que efectuar reflectir-se-ão neste, e não em si. Perante a escolha de o utilizar como uma forma de vigiar a integridade da sua alma, ou um instrumento que possibilite uma absoluta impunidade, opta por esta última. Guiado pelo pecado da vaidade, dedica-se a explorar exaustivamente todas as possibilidades que a vida oferece, embarcando num conjunto de comportamentos sórdidos. Mas nem por isso se torna completamente indiferente à opinião social, pelo que o procura fazer de forma discreta. Esses comportamentos, que resultam numa influência corruptora para quem o rodeia,  nunca nos são completamente descritos, mas sobretudo sugestionados. Com a reincidência, começam a surgir boatos sobre o seu estilo de vida, e de como vendeu a sua alma ao diabo a troco da eterna juventude.
  Oscar Wilde não nos apresenta o percurso da personagem como algo de inevitável. Existe uma escolha (parte consciente, parte inconsciente), do destino a dar à sua vida. Se por um lado as perspectivas do mundo de Lord Henry são um verdadeiro canto da sereia, a Basil (que acalenta sentimentos por Dorian que vão além da amizade), crente numa beleza interior de Dorian tão grande como a exterior, cabe o papel de sua consciência. Quando a estória encontra o seu desfecho (que não desilude), descobrimos finalmente se o destino reservado ao protagonista será trágico, redentor, ou simplesmente a impunidade. O final comporta uma moral, mas que irá variar de leitor para leitor, consoante o tipo de pessoa que seja. Era esta a convicção do próprio autor.

  Irlandês de nascimento, Oscar Wilde (1854-1900) viveu em plena era vitoriana e destacou-se no panorama cultural londrino sobretudo pela sua obra como dramaturgo e poeta. Para além da sua obra, seria recordado pela sua homossexualidade, exposta publicamente num processo que conduziu ao seu encarceramento, e que em muito contribuiu para a sua prematura morte. Integrante do movimento estético a determinado ponto, faz em O Retrato de Dorian Gray (o único romance que escreveu), um tratado sobre a importância da aparência na sociedade, e no confronto entre estética e ética qual deve ser preponderante. Foi na época alvo de crítica em razão de alguns dos comportamentos que a história incluía, considerados debochados. A sua escrita é muito visual (provavelmente devido à sua formação teatral), e toma grande atenção à descrição dos pormenores, sobretudo das coisas belas. A espaços, pode ser algo desmotivador, como quando enumera os diferentes interesses que o seu protagonista vai tendo (ourivesaria, roupa, entre outros). Trata-se de uma leitura agradável, que ainda hoje estimula a reflexão, mas que inevitavelmente perde uma significativa parte do seu impacto em razão de um background cultural e social  que é hoje completamente diferente.

Classificação: 7,5/10 - Consegue explorar a interrogação se a beleza é uma benção ou uma maldição, sem deixar de criar uma obra de ficção envolvente.

"Não existe livro moral ou amoral. Os livros são bem ou mal escritos. Eis tudo."
                                            Oscar Wilde 

Título: O Retrato de Dorian Gray
Original: The Picture of  Dorian Gray
Autor: Oscar Wilde
Tradução: Maria de Lourdes Sousa Ruivo
Biblioteca Visão, 2000
Páginas: 256

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Capas que ficam na retina (2) - O serial-killer invisual


  Divertidíssimo romance policial, que segue as aventuras e desventuras do primeiro serial-killer invisual da história. Gabriel Saviela é cego e passou toda a sua vida a ser humilhado pela mãe, que decide assassinar dando os restos mortais desta a comer ao seu cão - depois matou o periquito. Isso constituirá o início de uma série de mortes atrozes e aventuras rocambolescas… 

O Capitão das Sardinhas de Manuel Manzano - Ulisseia 2010

Gosto do pormenor de ser o periquito a segunda vítima...

Os livros que andam connosco

  
   "Os livros que nos interessam mesmo, que não somos capazes de deixar no quarto ou na sala - ou mesmo em casa - são aqueles que transportamos connosco para toda a parte.
  Ao contrário dos livros de cabeceira e dos livros que espalhamos por aí, o livro andarilho tende a ser só um. É o livro dilecto do momento, aquele de que não nos conseguimos separar. Nos inquéritos de jornal, em vez dos livros de cabeceira, é essa a pergunta que se deveria fazer: qual é o livro que agora anda consigo?"

Miguel Esteves Cardoso, Ainda Ontem - Público, Domingo 7 Novembro 2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Debaixo d'olho Outubro (4) - Criticado por muitos, comprado por mais ainda


  Conotado por diversas vezes com as cenas de sexo mais ridículas da literatura portuguesa actual, e alvo do desdém abertamente assumido de grande parte da crítica, a verdade é que o homem lá vai escrevendo e vendendo livros com fartura. Ainda não li nenhum livro de José Rodrigues dos Santos, sendo que A Filha do Capitão se encontra em lista de espera. Mas esta crítica de Eduardo Pitta ao seu mais recente romance, Anjo Branco, aguçou-me a curiosidade.

  Para a posteridade, o autor já deixou uma frase (Codex 632) que não está ao alcance de qualquer um:

  “Quero fazer uma sopa de peixe com o leite das minhas mamas.”

Nível de interesse: Muito Elevado

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Um burro, mesmo velho, aprende sempre novas línguas

  A integração da internet no nosso dia-a-dia está a influenciar a nossa forma de escrever e ler. Pelo menos é o que alguns estudos indicam:

Excertos de Texto publicado na edição da Pública de 31.10.2011

  "A verdade é que todas as nossas experiências nos modificam o cérebro, redesenham-nos os circuitos, como se fosse um computador (..) E, quanto mais repetitivas e praticadas forem as nossas acções, mais intenso será esse efeito de plasticidade do cérebro. Os músicos profissionais têm mais matéria cinzenta nas áreas cerebrais relacionadas com o planeamento dos movimentos dos dedos. Os cérebros dos atletas são mais volumosos nas zonas responsáveis por controlar a coordenação entre os olhos e as mãos."

  "Mas a descoberta desta plasticidade do cérebro, desta capacidade permanente de se alterar, é algo recente (...). Até então, o que se aceitava era algo que a sabedoria popular traduzia no provérbio "de pequenino se torce o pepino": o cérebro não mudava grande coisa desde a infância. O que não se aprendia em pequenino dificilmente se aprenderia em adulto."

   Se alguém aprender a escrever no teclado do computador - sem passar pela aprendizagem à mão -, não vai ter a necessidade de pegar em papel e caneta para tirar dúvidas, como se a mão soubesse mais de ortografia do que o cérebro onde ficam guardadas as memórias e o que aprendemos. (...) gesto ainda hoje corrente, quase um reflexo - tirar notas à mão -, vá desaparecer, mais tarde ou mais cedo."

   Nicholas Carr  (jornalista de tecnologia norte-americano) 

  "Não tenho andado a pensar como costumava pensar. Sinto-o sobretudo quando estou a ler. Costumava achar fácil mergulhar num livro ou num artigo longo. A minha mente deixava-se apanhar nas voltas da narrativa ou nas reviravoltas dos argumentos, e passava horas a passear por longas caminhadas de prosa. Hoje é raro fazer isso. Agora a minha concentração começa a vaguear passada uma página ou duas.  Começo a mexer-me, perco o fio à meada, começo a procurar outra coisa qualquer para fazer. Sinto que tenho de estar sempre a arrastar o meu cérebro indisciplinado de volta ao texto. A leitura aprofundada que antes me vinha naturalmente tornou-se agora numa luta." 

  Maryanne Wolf (especialista em dislexia)

  "Se a nossa atenção é constantemente distraída, isso influencia a profundidade da leitura, deixamos de conseguir analisar profundamente o que lemos".(...) "A leitura superficial não conduz a uma forma de pensar profunda. E o pensamento superficial não nos leva a uma vida virtuosa, na forma como nos relacionamos com os outros".(...) reconhece não existirem muitos estudos que provem ou desmintam as suas preocupações.

   "Um estudo da Universidade do Michigan chegou a uma conclusão bastante preocupante: a empatia, a capacidade de entender uma situação a partir do ponto de vista do outro, diminuiu cerca de 40 por cento entre os estudantes universitários norte-americanos durante os últimos 30 anos. Isto está a passar-se com a geração do Facebook e do Twitter."

Parabéns merecidos

  Ainda que com alguns dias de atraso, aqui ficam os merecidos parabéns ao Porta-Livros (um dos meus blogs de livros favoritos), pelo seu melhor mês de sempre em termos de visitas. Isto a 27 de Outubro. Fico com curiosidade de conhecer os números finais, e que o Porta-Livros continue por muitos e bons anos, pois pelos vistos não falta quem o aprecie. 

  Parabéns Rui Azeredo!

Debaixo d'olho Outubro (3) - Quando a fome se junta à vontade de comer


Três razões tornam O Homem do Castelo Alto numa tentação praticamente irresistível para mim:
1. É escrito por Philip K. Dick, autor com algumas das idéias mais criativas que já vi, mas igualmente inventivo na forma como as desenvolve.
2. Aborda a temática da II Guerra Mundial, um dos meus temas de eleição.
3. Fá-lo explorando a possibilidade de um desfecho diferente do real (embora existam outras obras que o façam, como por exemplo Pátria de Robert Harris).

Como o preço não é nada meigo (18,85€, 288 pág.), vai ter de esperar um pouco. Ou em alternativa, ser comprado em inglês.

Nível de interesse: Muito Elevado

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Debaixo d'olho Outubro (2) - Eduardo Mendoza


  De Eduardo Mendoza li "O mistério da cripta assombrada" e "O labirinto das azeitonas" (editados em Portugal pela Casa das Letras), e achei ambos hilariantes. O autor recorre a um humor que consegue ser simultaneamente inteligente (na forma como a sua escrita nos faz avançar na estória), e tresloucado (nos pressupostos que nos apresenta, e nas circunstâncias que engendra). O herói comum a ambos é um psicopata internado (cujo nome nunca nos é revelado), que é "requisitado" pelo comissário Flores para missões que requerem os seus talentos especiais. Mais do que a curiosidade que "A assombrosa viagem de Pompónio Flato" me suscita em concreto, o que eu realmente quero é conhecer mais da obra de Mendoza.

  O escritor catalão Eduardo Mendoza é o vencedor do Premio Planeta 2010, atribuído pelo grupo editorial espanhol Planeta ao romance sobre a Guerra Civil de Espanha «Riña de gatos», que escreveu sob o pseudónimo de Ricardo Medina.

Nível de interesse: Elevado

Capas que ficam na retina (1)


O livro não me desperta interesse, mas a fotografia foi bem escolhida.
 Será que o maestro se inspirou em Dali?

 

D. Amélia - Isabel Stilwell


  Isabel Stilwell recria neste romance a vida da última rainha de Portugal, D. Amélia (1865-1951). Cobrindo a totalidade da sua vida, e predominantemente através da perspectiva pessoal da própria Amélia, o livro tem particular incidência sobre o período do seu crescimento em França (após o regresso familiar do exílio inglês), e os anos de casamento com D. Carlos. De forma mais sucinta, refere igualmente o período subsequente ao regicídio, que haveria de culminar em novo exílio (realidade que marcou a sua vida), e que a acompanhou até à sua morte.

  Através das suas vivências contactamos com um período tumultuoso da história europeia, no que ao término ou sobrevivência de monarquias se refere. Primeiro, com o clã Orleães, quando o seu pai regressa a França na esperança de reinstituir a monarquia que havia terminado com o seu avô, ensejo que nunca alcançaria. É com Amélia, a filha mais velha, que o Conde de Paris partilha as suas convicções e visões para o futuro de França, sobre a égide de uma monarquia constitucional. É com Luís Filipe que Amélia forma a convicção do que um rei deve ser, sempre tendo como fundamental a noção de dever para com o seu povo. Acompanhamos a sua infância, de uma criança séria e contida, sempre preocupada com o que é esperado de si, e decidida a não desapontar o seu ídolo, o pai. Com uma família unida (facto a que não era alheia uma propensão pelo casamento com primos direitos), é difícil a D. Amélia deixar para trás tudo o conheceu quando chega o momento do seu casamento.

  A sua nova vida tem início aquando do seu casamento com o príncipe herdeiro de Portugal, de seu garboso nome Carlos Fernando Luís Maria Vítor Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis José Simão de Bragança Sabóia Saxe-Coburgo-Gotha, a partir do qual o nosso país seria a sua nova pátria. Apesar de uma aliança entre duas casas reais, este casamento foi também um casamento por amor. As elevadas expectativas que tinha para uma vida em comum foram inicialmente cumpridas, talvez mesmo excedidas. Mas o passar dos anos haveria de trazer um fosso crescente entre ambos, à medida que deixava de reconhecer o Carlos que conhecera e pelo qual se apaixonara, fraco perante os prazeres da vida, e negligente face às necessidades do povo. Não que D. Carlos tivesse apenas defeitos. Mas os seus dotes (nomeadamente diplomáticos) eram largamente superados pelas suas falhas. Acompanhamos a ascensão de Carlos ao trono após a morte do seu pai; a forma como a sua sogra, D.Maria Pia, se vingava no erário público das humilhações públicas a que era sujeita pelo marido; o nascimento e infância dos princípes herdeiros; e como a sua forte noção de dever se materializou numa impressionante, sobretudo para a época, obra social que visava a melhoria das condições de vida dos mais desfavorecidos. Conhecemos ainda o clima e os sinais que precederam a instauração da república no nosso país.

  As convicções de D. Amélia, ainda que sólidas, acabaram por sofrer a erosão de uma vida atravessada por dificuldades. Carlos, foi um marido desrespeitador, e que menosprezava aquele que podia ser o seu contributo para o seu reinado, mas a quem apesar de tudo amava. Mais preocupado com o prazer do que com o país, D.Amélia vivia no receio que os filhos seguissem o seu exemplo. Empenhou-se então em preparar o filho para ser o melhor rei possível, e um regente de que se pudesse orgulhar. Quando este lhe é roubado, desaparece com ele a sua razão de viver. D. Amélia sentia que o seu povo nunca a chegou a amar, apesar do seu esforço, e que via em si, e na sua família, apenas gente que espoliava o país de preciosos recursos financeiros sem em nada retribuir. D. Amélia é-nos apresentada como alguém de extrema dignidade, que foi-se tornando uma mulher amargurada e descrente, com a sua existência trespassada pelo adágio que um dia ouviu a uma tia: "a felicidade cobra sempre o seu preço".

  A autora consegue captar a essência de uma mulher nobre (em ambos os sentidos), mas que foi preparada para um mundo que rapidamente desaparecia. O seu colar de 671 pérolas, cada uma representativa de um dos bons momentos que viveu em Portugal. Voltou a Portugal uma única vez após o exílio (a convite de Salazar a quem muito admirava), em 1945.

  Isabel Stilwell, conhecida sobretudo pelo seu trabalho como jornalista (foi directora da Notícias Magazine), tem-se firmado nos últimos anos como autora de romances históricos: Filipa de Lencastre e Catarina de Bragança, igualmente sobre a vida de raínhas. As fotos que Isabel Stilwell incorpora no livro aumentam significativamente o seu impacto, na medida que temos uma consciência mais apurada de como o que estamos a ler teve uma base real. Muitas das cartas reproduzidas no livro são reais, já não sucedendo o mesmo com os diários, embora a autora se tenha baseado nos originais. A escrita de Stilwell é cuidada, mas perfeitamente acessível. Embora não seja um livro barato, dificelmente damos o nosso dinheiro por mal empregue.

Classificação: 9/10 - O livro consegue cumprir de forma sublime o objectivo a que se propõe.

Autora: Isabel Stilwell
Editora: Esfera dos Livros
Edição: Março 2010
Páginas: 554
Preço: 22€


Lado B outra vez

"Dois homens foram detidos por assaltarem a caixa de esmolas de uma igreja (...), ou como os padres dizem: o dinheiro para a vaselina."


Lado B, com Bruno Nogueira, 22 Outubro, RTP

O lado B de Pedro Paixão



  No passado dia 22 de Outubro, vi a entrevista de Pedro Paixão no Lado B. Fiquei estupefacto. Pensei que o homem não tinha os cinco alqueires bem medidos. Com uma conversa daquelas, ou o homem estava pedrado, ou um consumo continuado de absinto havia finalmente feito estragos irreparáveis aos seus neurónios. Gosto do que li do homem, mas aquilo era para além de estranho, chegando a ser constrangedor (não apenas para o expectador, mas também para os presentes).

  Descobri entretanto que Pedro Paixão padece de doença bipolar, diagnosticada aos 19 anos, o que explica, pelo menos parcialmente, um comportamento tão peculiar. E se digo pelo menos parcialmente, é porque existem muitas pessoas diagnosticadas com esta doença que fazem a sua vida de forma perfeitamente ordinária. Desconheço a gravidade do caso concreto, e nunca vi sequer outras presenças do autor em televisão para saber se é recorrente este comportamento. Pode simplesmente ter-se esquecido de tomar o medicamento (sem sarcasmos, em muitos casos nota-se logo). O desconhecimento de determinada informação pode ser o bastante para condicionar as conclusões a que chegamos. Por este motivo, não consigo ter uma opinião definida se estamos perante uma prova de coragem de alguém que quer viver a sua vida normalmente, ou se aproveitamento por parte de quem o recebe (neste caso pareceu-me que não; Bruno Nogueira foi precisamente quem mais constrangido me pareceu). Pode até tratar-se de ambas ou nenhuma das hipóteses enunciadas. 

  De qualquer forma, do ponto de vista da opinião pública, é sempre positivo que personalidades que se destaquem em áreas mediáticas assumam e partilhem a sua convivência com esta doença (muito mais disseminada do que se possa pensar), contribuíndo para a desmistificar aos olhos de todos, incluindo os próprios doentes.

  Num testemunho para uma colectânea da Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares, o escritor descreveu "o pólo depressivo da sua doença de modo existencial e quase clínico":

  “ O tempo aparece como uma massa informe, pegajosa, impenetrável, porque o sentido que podia ordenar se ausentou, fez greve, sumiu. Ora, não havendo futuro, não há passado nem presente, não há nada. As sinapses dos meus neurónios mandaram-me passear”

  O autor foi um dos 3 casos abordados na reportagem da SIC, Mentes Inquietas, emitida em 2009.



  "Em Portugal, há mais de 100 mil pessoas que sofrem de algum tipo de distúrbio bipolar; uma perturbação psíquica que se caracteriza por oscilações acentuadas do humor com crises repetidas de depressão e de euforia. Cada um dos doentes tem uma forma particular de manifestar a bipolaridade e de reagir ao diagnóstico, à terapeutica e ao estigma."

  "A vida de 3 pessoas que sofrem de doença bipolar Pedro Paixão tinha 19 anos quando lhe foi diagnosticada a doença maniaco-depressiva. Em 1976, era esta a designação da doença bipolar. Só aos 30 anos, é que o então professor universitário de Filosofia, começou a ser acompanhado regularmente por um psiquiatra e aderiu à terapeutica. Hoje, o escritor - que abandonou a vida académica em 2005 por causa da doença - garante que aprendeu a lidar melhor com os seus humores."

Entrevista a Carlos Moreno

  Se ontem falava do livro Como o Estado Gasta o Nosso Dinheiro, nem de propósito o seu autor, o  juiz-conselheiro do Tribunal de Contas jubilado Carlos Moreno, dá uma entrevista ao Público de hoje:

- Perfil;
- “Ninguém sabe quanto dinheiro deve o Estado";
- "Estão em curso renegociações nas Estradas que serão escandalosas";
- "As parcerias público-privadas não são recomendáveis".

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Debaixo d'olho Outubro (1) - Mas em tempo de crise arrisco-me a ficar indisposto...


Os Donos de Portugal - Um trabalho conjunto sobre como certos clãs familiares têm concentrado em si uma significativa parte da riqueza de Portugal. As uniões através de casamentos e os negócios que permitiram a rápida recuperação de alguns empresários após um 25 de Abril que muito os penalizou, são algumas das temáticas abordadas no livro. Fruto de uma investigação por pessoas assumidamente de esquerda, desde logo sofreu a crítica de parcialidade e propaganda, embora muitos dos que a fizeram assumam que a façam por presunção. Prefiro encará-lo como uma perspectiva, posteriormente sujeita ao senso crítico de cada um.

Quem são os donos de Portugal? - texto no Arrastão  

Nível de interesse: Moderado

Um livro que analisa as opções em que o Estado gasta, e muitas vezes desperdiça, os recursos obtidos através de impostos. Uma discussão adequada face ao contexto político-económico actual, precisamente por esse motivo pode ser propício a provocar-me azia. E em época de vacas magras, vai provavelmente ficar para segundo plano. Como não posso controlar a forma como o Estado gasta o nosso dinheiro, tenho de me cingir a como gasto o meu.

Nível de interesse: Moderado

Alexandria reinaugurado


O Benfica tem a Vitória para assinalar efemérides, o Alexandria tem a Maria.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Notas sobre o mundo dos livros - Sol na eira e chuva no nabal

  Há alguns meses foram divulgados relatórios que revelam o crescimento da indústria editorial em Portugal. Para além das vozes que se levantaram, e bem, para parabenizar o feito, para mais em tempo de crise, outras houve que salientaram, em tom censuratório, como o mesmo foi alcançado sem apoios do Estado, ao contrario de outras industrias culturais nacionais (com o cinema, esse eterno elefante branco, à cabeça). 

  Com toda a paixão que tenho pelos livros, não vislumbro nenhum mérito extraordinário em um negócio dar lucro. Ainda que seja um dotado das particularidades próprias do universo dos livros. Vejo motivos de regozijo, de orgulho por um trabalho bem sucedido. Para alguns, a satisfação de contribuir para o enriquecimento da sociedade através da cultura. Mas a indústria editorial não deixa de ser um negócio, e deve prosperar por si próprio. 

  Discordo do discurso de dois pesos e duas medidas que muitas vezes se lhe aplica. Como quando se critica os grandes grupos do mundo editorial de se comportarem de forma similar ao que fariam no ramo das farturas, detergentes ou viagens, sem o respeito devido pelas suas especificidades. Não morro de amores por essa perspectiva. Mas não deixa de ser uma perspectiva, para mais fiável, porque normalmente esses grupos são de facto lucrativos. E nem toda a gente que depende desta indústria para viver, o faz, em parte ou sobretudo, por amor e vocação. Para muitos é apenas um ganha-pão. Nem sempre podemos ter o melhor de dois mundos. E ainda bem que o mundo em que vivemos começa a permitir a vitalidade do livro sem apoios artificiais.

  Nota-se um esforço na maior parte dos seus intervenientes para caminhar para uma progressiva profissionalização e modernização. Mas ainda existe um longo caminho a percorrer, nomeadamente na transparência com que comunicam publicamente os seus resultados. Falta de transparência essa que permite um recurso ao discurso do coitadinho quando conveniente. Se um determinado negócio não é rentável, embora muitas vezes lastimável o desfecho, encerra-se o mesmo. Se se tratar de uma área entendida como de interesse público (porque nem tudo o que é bom e importante tem lucro, e vice-versa), apesar do seu prejuízo crónico, intervém o financiamento público.

  Mas nem sequer é verdade que este sector esteja isento de apoios do Estado. Desde logo por estar sujeito a uma taxa de IVA reduzida. E não está sequer sujeito a um escrutínio que determine que livros devem beneficiar de isenção completa, intermédia, ou simplesmente não a ter (ao contrário do que sucede nos bens alimentares por exemplo). Por mais que goste de ler, não consigo em boa consciência, descrever o último livro de António Lobo Antunes ou da saga "Sangue Fresco", como bens essenciais. Este benefício poderia muito bem estar reservado aos manuais escolares, livros técnicos ou a um conjunto de obras seleccionadas  (o problema seria estabelecer os critérios a que obedeceria a essa escolha, mas não é esse o assunto que se pretende tratar). Tal sucede porque se entende que estimular a leitura é de tal forma importante, que esta política deve estender-se desde a maior obra-prima literária à mais execrável amálgama literária jamais concebida. Mas nunca deve ser encarada como irrelevante uma incidência fiscal inferior em 15% (a indústria discográfica bem se tem queixado do tratamento diferenciado). 

  E embora este me pareça o incentivo mais relevante, não se trata do único. A CML (logo, dinheiros públicos), atribuiu por diversas ocasiões, subsídios à organização da Feira do Livro de Lisboa (desconheço se ainda o faz). Existem campanhas de estímulo à leitura periódicas, que embora se podendo questionar a sua eficácia, o facto é que o dinheiro que as financia é gasto.

  Pode-se discutir como o orçamento destinado à cultura é parco em Portugal. E de como este é inadequadamente distribuído. Mas nessa conversa, já teremos de incluir o teatro, a dança, o cinema, a música, a pintura, entre muitos outros intervenientes. E dificilmente todos sairão satisfeitos.

sábado, 24 de julho de 2010

Ele vive...

  Quatro meses decorridos; quatro meses certinhos desde a última actualização deste blog. Pouco tempo ou vontade tive para lhe dedicar. E esteve longe de ser o único a passar para segundo plano. Tarefas e momentos mais importantes surgiram. Felizmente quase todos bons, mas trabalhosos. Nem sequer agradeci ou potenciei a referência desta casa pelo Estante dos Livros (vale mais tarde do que nunca), o que deve fazer de mim uma espécie de avestruz em termos de marketing de blogs (deve ter mais visitas por dia do que o Alexandria desde que surgiu). Aproveito para agradecer à minha fiel média de 17 visitantes diários que se tem mantido pelos vistos. Poucos mas bons.

  Por andar numa correria, aliado a estar a viver num meio particularmente isolado (dupla insularidade é um termo que compreendemos apenas quando por ele passamos), acabei por me desligar um pouco do mundo em geral. E soube-me bem. Durante meses, praticamente não vi notícias. Só por mero acaso tomei conhecimento da morte de Saramago, de que se realizaram eleições no Reino Unido, e que em breve qualquer coisa como 40% da população portuguesa ver-se-á forçada a recorrer ao Banco Alimentar tendo em conta o que ouvi sobre a crise (o mais deprimente é que algo do género pode mesmo acontecer). Completamente alienado. Mas também, agora que restabeleci contacto com o mundo, começo a duvidar da sanidade da minha opção tendo em conta as inanidades que ouço (Passos Coelho, amigo, o povo  não está contigo).
 
   Esta postura foi extensiva ao mundo da blogosfera. Mas não sei se esta se alterará. São cada vez menos os blogs que acompanho. Estou convencido de que ter um blog afecta normalmente o sentido de auto-importância de uma pessoa. Com total liberdade de conteúdos, em que o filtro está completamente do lado dos leitores, é fácil subir-nos um pouco à cabeça a suposta importância do que escrevemos e de quem somos. São cada vez mais os blogs que me parecem feiras de vaidade ou locais propensos a acertos de contas. Mas cada um escolhe o que lê e deixa de ler. Se achas algo asnático, coloca na borda do prato. O nosso tempo, sobretudo quando temos menos para despender, deve ser empreendido a ler o que realmente nos agrada. Nos últimos meses, a melhor coisa que tirei da blogosfera foi a ideia de experimentar o gaspacho do pingo doce (obrigado Ouriquense). Neste regresso, gostava de ter um impacto semelhante em algum leitor.

  Quanto a livros, tenho-me moderado nas compras após alguns excessos na Feira do Livro de Lisboa (que culpa tenho eu de ter ido a Lisboa precisamente no fim-de-semana em que esta encerrava). Comprei, inclusive, um livro ao moço do Irmão Lúcia, o que me deve tornar membro honorário de algum fórum da blogosfera. O desgraçado estava a penar que nem um frango no espeto naqueles stands que mais parecem galinheiros, com o sol a bater forte e feio. O que quer que lhes paguem, é pouco. Mas contenção orçamental oblige. Apesar de tudo tenho sorte, porque a esposa recém adquirida compreende a minha dependência. Mas os fundos para pagar aos agiotas incompetentes do banco (que estavam a cobrar em excesso por uma bacorada exclusivamente deles), têm de vir de algum lado (ou vários para ser mais exacto). É claro que neste momento, a minha consideração e apego pelas instituições bancárias está algures entre a EMEL e as estações de tratamento de resíduos sólidos. E enfim, lá se vai levando a vidinha.

quarta-feira, 24 de março de 2010

O encerramento da Os Meus Livros

   A revista Os Meus Livros (doravante OML) de Março será a última. Já muito boa gente expressou a sua opinião sobre este destino (aqui, aqui, aqui e aqui). Como é habitual com os recentemente falecidos, a maioria das pessoas apenas tem palavras amáveis acerca do mesmo. Confesso que não é o meu caso. Quase todas as reacções ao seu encerramento referem como é triste o desaparecimento de uma publicação exclusivamente dedicada a livros num país que praticamente não as tem. Mas poucos falam dos méritos e deméritos da mesma. Não me basta que uma publicação seja sobre um assunto que me interessa. Importa a qualidade com que o aborda.

   Comecei a ler a revista com alguma regularidade numa altura em que a anterior encarnação da LER ainda existia. Entre as duas, preferia claramente a OML. Mas desde então notei um progressivo decréscimo na sua qualidade, e simplesmente deixei de achar que valesse a pena comprá-la. As críticas a livros tornaram-se cada vez mais genéricas e as apresentações de novos lançamentos muitas vezes pouco ou nada acrescentavam às lombadas e capas dos livros. Os temas seleccionados para desenvolvimento, nem sempre se revestiam de interesse (pese a subjectividade) ou eram explorados da forma mais conveniente. Até este último número, foram sempre as entrevistas que me mereceram a maior atenção.

   O outro aspecto que destacaria dos textos que li, são os elogios ao seu director cessante, João Morales.  Acredito que fizessse muito com os parcos recursos que aparentemente tinha. Também acredito que um aumento dos mesmos se reflectisse na qualidade da publicação. Mas não querendo parecer insensível, isso pouco interesse tem. O importante para o consumidor final é que o interesse que a revista lhe suscita justifique comprá-la. E infelizmente, isso já não acontecia no meu caso. Só podemos sentir a falta de algo por que genuinamente ansiamos.

Para completar, apenas algumas notas soltas:

1. O ressurgimento da LER, por si só, já era suficiente para aumentar a concorrência sobre a OML. A forma como a LER foi praticamente incensada por muitos, em muito contribuiu para relegar a OML à obscuridade.

2. A OML tinha graves problemas de distribuição. Não era uma revista fácil de encontrar, sobretudo fora de Lisboa. Se deixou de ser colocada nas bancas porque não vendia, ou não vendia porque não era colocada nas bancas, não sei. Mas por mais de uma vez a quis comprar e não a encontrei.

3. Encerrar uma revista é uma opção do grupo económico que a detém, e concorde-se ou não, é legítima. Afinal de contas trata-se de um negócio, e é sempre mais fácil opinar sobre como gastar o dinheiro alheio. Mas isso não invalida que se possa, e deva, demonstrar respeito pelos seus responsáveis e leitores, permitindo-lhe ao menos uma despedida condigna.

4. É verdade que com a Internet, e sobretudo o advento dos blogs, a informação disponível aumentou substancialmente. Para sobreviver, a revista tem claramente de oferecer conteúdos distintos e mais aprofundados dos disponíveis em espaços de cariz predominantemente amador, sob pena de se esgotar a sua razão de ser. Mas a par dessa concorrência, existe também a possibilidade de descobrir pessoas que possam trazer contributos inovadores para esses projectos.

5. Quis o destino que o último número da OML oferecesse um livro da Ambar na sua compra. Ambar, que parece ter abandonado a sua vertente editorial, começando a ser difícil encontrar os seus livros. Acabei por comprar um livro de António Manuel Venda que me interessava ("O Que Entra Nos Livros"). Ironicamente, não consigo imaginar melhor despedida.

Cantinho kitsch da música portuguesa #3

   Porque a reinserção social dos cidadãos que prestaram contas à justiça é uma causa que merece a atenção de todos, aqui fica a contribuição do Alexandria para a mesma. Se tocar um coração que seja, já valeu a pena.

Ser Benfiquista

   Ainda que tarde e a más horas, quero aproveitar para deixar aqui algumas breves notas que me ocorreram após a vitória do Benfica no passado Domingo:

1. Obrigado Jesus por colocares o Benfica a jogar futebol. Estava farto de me deixar dormir antes do intervalo, ou pior, praguejar até me doer a garganta;

2. O Quique Flores não percebe ponta de corno de bola. Com que então está desconfiado que não utilizou o Cardozo da melhor forma? Marcar golos do banco realmente é complicado. Mas o Aimar, Di Maria e David Luiz também não foram exactamente optimizados;

3. Os jogadores do Porto podiam ser um slogan ao mau perder. Não gostar de perder é uma coisa, aqueles comportamentos são algo completamente diferente. Verdade seja dita, limitaram-se a seguir o exemplo do seu capitão. E ainda não foi desta que descobri o que o Bruno Alves precisa fazer para ser expulso;

4. As claques, sejam elas quais forem, neste momento fazem tanta falta ao futebol como a fome a um etíope;

5. Para o Jesualdo Ferreira ainda está para ser formada a equipa que seja superior em campo ao Porto em determinada ocasião. O adversário nunca foi melhor; o Porto é que esteve em dia não. Vou sentir falta destas teorias nas conferências de imprensa do ano que vem.

E no fim-de-semana há jogo com o Braga.

terça-feira, 23 de março de 2010

Cem anos de Kurosawa

  
   Se Akira Kurosawa fosse vivo, celebraria hoje 100 anos. O realizador japonês é ainda hoje um dos ícones do cinema mundial, e a sua obra continua a reflectir-se em muito do que se filma. Não apenas na abordagem de temas como a honra e a culpa, mas também nos conceitos visuais que introduziu, nomeadamente a forma como utilizava a cor nas suas películas. Muitos dos seus filmes foram posteriormente alvo de adaptações, umas mais autorizadas que outras. As mais famosas são provavelmente The Magnificent Seven, remake americano de Seven Samurais (Shichinin no Samurai), e os western spaghetti celebrizados por Sergio Leone, o qual encontrou grande parte da sua inspiração no cineasta nipónico.

   Como é costume nestas efemérides, são muitos os que falam como detendo um profundo conhecimento do autor. Não é o meu caso. Conheço pouco, muito pouco. Apenas o suficiente para ter consciência do que estou a perder quando permito que os seus filmes continuem na categoria de "por ver", em detrimento de muita coisa que acaba por ter prioridade apenas por ser mais recente. A pequena resolução pessoal de Março, na área do lazer, será ver um filme de Kurosawa por mês. Se o continuasse a adiar, o mais provável seria acabar por não o fazer.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Unidos nunca mais serão vencidos

   Concretizou-se finalmente o anúncio oficial de uma das primeiras grandes alterações de 2010 no mercado editorial português: a editora Sextante passa a integrar o Grupo Porto Editora. João Rodrigues (Sextante) e Manuel Alberto Valente (Porto Editora), tidos como dois dos mais conceituados editores nacionais, vão passar a trabalhar juntos. Manuel Alberto Valente chegou à Porto Editora algum tempo após abandonar a ASA, de onde saiu de forma algo conturbada após a aquisiçao desta pela Leya. Desde então, em conjunto com Cláudia Gomes, não tem parado de angariar obras e autores (alguns dos quais o acompanharam da ASA), que possibilitem o crecimento agressivo que o Grupo Porto Editora pretende para os segmentos de mercado externos ao livro escolar. Com esta aquisição, obtém acesso a um catálogo criticamente aclamado, mas apelativo a um segmento de mercado mais reduzido. A Sextante, em razão dos problemas financeiros que afectaram a distribuidora com que trabalhava, precisava ela própria de encontrar um novo fôlego. Terá assim acesso a uma estrutura alicerçada em recursos financeiros e logísticos significativamente superiores aos que estava habituada.

   As movimentações que envolvem a Porto Editora podem não ficar por aqui, uma vez que continuam a ser veiculadas notícias que a dão como concorrente da Leya na eventual aquisição da rede de livrarias Bertrand. O anúncio do grupo alemão Bertelsmann, em como pretende vender os seus investimentos em Portugal (Editoras Bertrand, Temas e Debates, e a renascida Quetzal; Círculo de Leitores; Rede de livrarias Bertrand), obriga os principais intervenientes no mercado livreiro a avaliar os custos e benefícios de avançar para estas aquisições, bem como das consequências possíveis de ser um dos seus concorrentes a fazê-lo.

Escolha o seu veneno

   Janeiro é mês de saldos, tradição que entretanto também chegou aos livros. Não se vá dar o caso de terem sobrado alguns cobres do Natal, aparecem nesta altura algumas oportunidades adequadas para os gastar.

   Se os fundos forem escassos, começa amanhã uma nova colecção da revista Sábado, em que cada livro pode ser adquirido por 1€ adicional (embora em muitos lugares seja possível comprar apenas o livro). Foi no blog Estante dos Livros, que tive conhecimento de mais esta iniciativa, incluindo os títulos que a integram e respectiva data de lançamento. Causa-me alguma estranheza que a divulgação destas colecções raramente tenha o apoio dos blogues literários de profissionais da área. É verdade que as mesmas já não são novidade, e apresentam algumas limitações. Mas quando ouvimos constantemente zurzir que os portugueses não lêem nem compram livros, é algo contraditório que quando obras de autores como Arundhati Roy, Kingsley Amis ou Richard Yates ("Revolutionary Road" foi um dos grandes destaques de 2009), são disponibilizadas a preços simbólicos (não faço ideia de como conseguem comercialiar estes livros a um preço tão reduzido), a ocasião não seja aproveitada para recuperar críticas antigas sobre os mesmos, e para (re)apresentar estes escritores. Cada um escreve no seu blog sobre o que bem entende, mas numa altura em que se promove, do melhor ao pior, praticamente tudo, parece um desperdício. É claro que a divulgação cultural, embora se tente muitas vezes passar uma imagem de desinteressado altruísmo, é sempre mais apetecível quando acarreta a respectiva compensação económica. Talvez passe por aí parte da explicação.

   O suplemento Ípsilon, do Público, lançou uma nova colecção de DVD's a um preço de 1,95€ cada. Embora tenha um preço simpático, já não se trata de uma raridade nos dias que correm. O que a distingue, são os filmes seleccionados, maioritariamente cinema independente. Muitos são difíceis de encontrar legendados em português, mesmo para os adeptos de uma estratégia aquisitiva mais criativa que explore todos os recursos que a internet oferece.

   Na FNAC, já é habitual Janeiro ser mês de outlet (até 27 de Janeiro). São muitos os livros em destaque, embora nem todos sejam contemplados por um desconto tão significativo quanto isso. Destacam-se alguns títulos da regressada Cavalo de Ferro, com descontos que vão até aos 50% ("Os Crimes do Acordeão" e "The Shipping News" de E. Annie Proulx; "Os Milagres do Anticristo" de Selma Lagerlöf; ou "As Aventuras de Pinóquio" de Carlo Collodi, com ilustrações de Paula Rego).

   Também a Bertrand, com a sua campanha "Mega Livros, mini preços", disponibiliza diversas opções com preços entre os 5 e os 10€, algumas das quais constituem uma excelente oportunidade tendo em conta o binómio qualidade/preço: "Dádiva Divina" de Rui Zink (5€); "Quinhentos Escudos Falsos" de Thomas Gifford (5€); "A Torre do Desassossego" de Lawrence Wright (7€); "A Neblina do Passado" de Leonardo Padura (7,5€), entre outros. No mesmo grupo editorial, quem se tornar agora assinante da revista LER, beneficiará da oferta do livro "a Bíblia para todos", com um p.v.p. de 34,90€. Como um ano de assinatura fica a 40€ para leitores Bertrand (a adesão não tem custos), quem tiver interesse em ambas, é de aproveitar.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Felicidades aos noivos!

O que é que a performer Dita von Teese e a actriz Rachel Evan Wood têm em comum?



O mesmo gosto em homens



Quando von Teese era Mrs. Marilyn Manson



A próxima geração



Gostos não se discutem. 

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Rói-te de inveja Zézé Camarinha

Warren Beatty dormiu com 12.775 mulheres.

Nem sempre nos lembramos dos nossos maiores avanços civilizacionais

"Não sabemos se Jorge Luis Borges escreveria de maneira diferente caso não tivesse cegado. O que ele teria lido. Como ele teria amado Buenos Aires, onde nasceu e viveu. Como ele teria amado Genebra, onde morreu. A cegueira, que é um dos nossos grandes pavores, foi total em Borges aos cinquenta anos. Em Louis Braille, cujo centenário se assinalou ontem, foi aos três anos – a criação de um alfabeto ou código para cegos constituiu uma das grande aventuras da humanidade e merece ser relembrado como um avanço indiscutível na nossa sensibilidade ao sofrimento dos outros. Braille imaginou o seu código associando-o à linguagem musical, o que já diz muito da beleza desconhecida que ele transporta. Com a obra de Braille ficámos, todos, mais humanos. Mais sensíveis. Visíveis."

Excerto da Crónica de Francisco José Viegas no Correio da Manhã a 05/01/2010. Retirada daqui.

Os piores livros lidos em 2009

1. "Bala Santa" - Luís Miguel Rocha - 1/10

    Um desastre completo. Como tinha lido o "Último Papa" e dentro do género o achei razoável, arrisquei ler a continuação, embora já desconfiado de que a estória não tinha por onde continuar. O livro é uma amálgama de lugares comuns narrativamente mutilados. A estória desenrola-se em demasiadas frentes, que demoram um tempo interminável a encontrar-se. Quando isso finalmente acontece, a recompensa não está minimamente à altura da agonia tolerada. As personagens do primeiro livro (principal foco de interesse para ler este), são relegados para segundo plano até uma fase avançada da narrativa. Trata-se de uma cópia de má qualidade do seu antecessor, em que basicamente basta substituir o nome do conspirador. Respeito o trabalho de quem escreve mesmo quando não gosto do resultado final, mas tenho de confessar que ter dispendido pasta de papel nesta obra constitui um atentado ambiental, e foram provavelmente os 10€ mais mal gastos em livros da minha vida. Só o hábito (que hoje em dia considero demasiado arreigado), de não deixar livros a meio, me fez voltar a pegar-lhe. "Bala Santa" termina com a frase: "Isto ainda não acabou." Para mim acabou de certeza.

2. "Fortaleza Digital" - Dan Brown - 2/10

    Primeiro livro de Dan Brown, apresenta todos os defeitos dos subsequentes, e nenhuma das suas qualidades. Nota-se ser uma primeira obra, em que Brown ainda está a desenvolver o seu domínio narrativo, aqui algo rombo. O livro não apresenta a fluídez que normalmente permite uma leitura contagiante dos seus thrillers, e que permite minimizar os efeitos das suas limitações. Um bom exemplo é como um dos heróis do livro não é apenas improvável, mas completamente inverosímel. Perfeitamente dispensável a menos que se seja um incondicional do autor. E mesmo aí...

3. "A Epopeia de Mr. Skullion" - Tom Sharpe - 3/10

    Uma das descobertas de 2009 foi Tom Sharpe. Depois de ler a tetralogia Wilt e o "Triunfo do Bastardo", tinha grandes expectativas para este livro, uma sátira ao meio académico britânico. Em abono da verdade, parece-me que o principal motivo para não ter apreciado o livro, foi precisamente a falta de conhecimento e identificação com as nuances desse meio. Ainda assim, gostei dos delírios amorosos do investigador Zipser com uma empregada de limpeza tida como o trambolho residente e o desfecho dado para o College e o seu ancestral guardião, Mr. Skullion.

4. "O Fado da Sombra" - Filipe Faria - 3,5/10

    É certo que se trata de um género (Fantasia, segmento youg adult) que não faz parte das minhas preferências. Mas tendo começado a ler as Crónicas de Allarya por me terem oferecido o primeiro livro, até gostei dos primeiros três volumes. As influências de outras obras tidas como referência no género são notórias, e embora a escrita fosse algo infantil (até derivado da jovem idade do autor), parecia um trabalho promissor, para mais numa área em que tanta gente se queixa de haver poucos escritores em Portugal. O problema é que não só Filipe Faria não evoluiu na sua escrita, como até regrediu. Nos dois volumes anteriores já a estória  havia estagnado, ao mesmo tempo que tentava elevar a intriga a uma qualquer dimensão etérea que não se compreende de todo. A segunda metade de "O Fado da Sombra" interrompe esse ciclo, mas acaba por cair no extremo oposto, encaixando demasiados acontecimentos significativos num diminuto número de páginas. Salvam-se as descrições das lutas, ainda que por vezes demasiado longas, que para serem eficazes têm de galvanizar o leitor. Numa literatura sem grande tradição das mesmas, o autor não se sai mal.

5. "Como tornar o Benfica Campeão" - José Veiga - 5/10

    Aficcionado de futebol e do Benfica, tinha curiosidade moderada acerca deste livro. O suficiente para o comprar quando o vi em promoção. É, em grande medida, uma defesa pública do trabalho que José Veiga realizou enquanto director desportivo do Sport Lisboa e Benfica. Começando por descrever a sua ascensão enquanto empresário de jogadores, debruça-se em maior pormenor sobre os pormenores da sua estadia no Benfica, que acabou por abandonar de forma conturbada. Como zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades, algumas das revelações que faz parecem credíveis. Temos a consciência de estar a ouvir apenas um lado da história, mas outra coisa não seria de esperar neste caso. É também a oportunidade para ouvir algumas histórias de balneário do último campeonato conquistado pelo Benfica.

6. "A Liga dos Homens Assustados" - Rex Stout - 5/10

    Gosto de ler policiais. E "A Liga dos Homens Assustados", não sendo um mau exemplo do género, não me prendeu a atenção. Sobretudo, não me senti cativado pelo carisma do protagonista, Nero Wolfe. Uma figura gargantuesca, como em determinada altura se refere a si próprio, que abomina movimentar-se fora do conforto do seu lar mais do que o estritamente necessário. Recorre ao seu associado para reúnir os elementos a partir dos quais deslindará o caso através dos seus processos mentais. Neste caso, a suspeita de que um escritor que ficou aleijado na sua juventude devido a uma brincadeira de mau gosto de um grupo de colegas, decidiu finalmente vingar-se. As mortes começam a suceder-se, e cabe a Nero Wolfe (a troco de uma significativa compensação financeira), averiguar da sua culpabilidade e dos meios empregados. Lê-se razoavelmente mas não deixa vestígios.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

As últimas compras de 2009


As melhores aquisições de 2009 (1)

      A monumental obra de Érico Veríssimo (em qualidade pelo que dizem, mas de certeza em dimensão), "O Tempo e o Vento", estava na minha lista de desejos há muito. Mas comprar sete volumes não é pêra doce, pelo que fui adiando a sua compra. Entretanto o preço dos mesmos desceu, situando-se agora nos 10€. E quando numa colaboração entre a Ambar e a revista "Os Meus Livros", se proporcionou a possibilidade de comprar alguns dos mesmos, decidi deitar mãos à obra. Cabe aqui fazer um grande e sincero agradecimento à Be. Estando a residir actualmente num lugar onde nunca ouviram sequer falar da revista, foi a Be., que conheço apenas do fórum Estante dos Livros, quem se ofereceu para mos comprar e enviar pelo correio. Graças a ela, poupei cerca de 13€ na compra de dois volumes, o que ajudou a amenizar a pancada. A promoção de Natal da Wook em que metade do valor das compras efectuadas em Dezembro, seria devolvido em Janeiro num vale de compras, fez o resto do serviço. Como alguns dos títulos já nem apareciam como disponíveis na página da editora, estive até à última com a incerteza se iria receber todos os livros ou não. A Ambar parece estar a desinvestir, senão mesmo desistir, da sua aposta na literatura. Não sei até que ponto esta percepção está correcta, mas acabou por precipitar a compra de tantos livros de uma só assentada.

    Uma última palavra, extremamente negativa, para a revista "Os Meus Livros". Bem se podem criar blogs, twitters e afins, com intuito de permanecer actualizado, que os mesmos acabam por não passar de meras ferramentas. Se alguém vos envia um mail a colocar uma questão, respondam por favor. É da mais elementar educação e competência em matéria de relações públicas. Nem que mandem a pessoa passear. Caso contrário, de nada vale terem o vosso endereço disponível no blog.





Livros lidos em 2009

    Deixo em seguida, a lista das minhas leituras ao longo de 2009, partindo da mais recente para a mais antiga. À frente de cada título, está uma classificação entre 0 e 10, ilustrativa da minha opinião. No que a opinar sobre livros diz respeito, tento conciliar uma análise mais objectiva do livro (qualidade de escrita; mecanismos narrativos utilizados; vocabulário seleccionado), com uma valoração pessoal do mesmo. Nem sempre os livros mais bem escritos são os que mais nos marcam. E nos que o fazem, nem sempre conseguimos explicar o porquê. Para mais, existem comparações que não têm cabimento. Como submeter à mesma avaliação Eça de Queiroz e Stieg Larsson? São universos (a nível de época, enredo, vocabulário, escrita, etc.) completamente distintos. Assim, as classificações valem o que valem, e pretendem apenas ser um indicador. Ao longo dos próximos dias, irei também deixar algumas linhas acerca das principais impressões que cada um dos integrantes da lista me deixou.

  • 60. "A História Fabulosa de Peter Schlemihl" - Adelbert von Chamisso 7/10
  • 59. "A Liga dos Homens Assustados" - Rex Stout - 5/10
  • 58. "O Meu Pé de Laranja Lima" - José Mauro de Vasconcelos - 10/10
  • 57. "A Águia do Império" - Simon Scarrow - 7,5/10
  • 56. "A Mancha Humana" - Philip Roth - 9,5/10
  • 55. "A Epopeia de Mr. Skullion" - Tom Sharpe - 3/10
  • 54."Russendisko" - Wladimir Kaminer - 6,5/10
  • 53."Despedida de Solteiro" - Peter James - 6,5/10
  • 52."O Criado Secreto" - Daniel Silva - 8,5/10
  • 51."O Assassino Inglês" - Daniel Silva - 8/10
  • 50."Vai e não voltes tão depressa" - Fred Vargas - 8/10
  • 49."O Carteiro de Pablo Neruda" - Antonio Skármeta - 7,5/10
  • 48."O Hóspede" - Marie Belloc Lowndes - 7/10
  • 47."Dead Until Dark" - Charlaine Harris - 6/10
  • 46."António e Cleópatra" - Colleen McCullough - 8,5/10
  • 45."O Priorado do Cifrão" - João Aguiar - 7/10
  • 44."Fortaleza Digital" - Dan Brown - 2/10
  • 43."O Grande Conspirador" - David Liss - 6/10
  • 42."O Vespeiro" - Patricia Cornwell - 5,5/10
  • 41."Os Pássaros da Morte" - Mo Hayder - 8/10
  • 40."O Fado da Sombra" - Filipe Faria - 3,5/10
  • 39."Pecados Íntimos - Little Children" - Tom Perrotta - 7,5/10
  • 38."O Cemitério dos Sem Nome" - Patricia Cornwell -  7/10
  • 37."A Quinta dos Cadáveres" - Patricia Cornwell - 7,5/10
  • 36."A Rainha no Palácio das Correntes de Ar" - Stieg Larsson - 9/10
  • 35."Cruel e Invulgar" - Patricia Cornwell - 8/10
  • 34."Tudo o que Resta" - Patricia Cornwell - 7/10
  • 33."O Monstro e Outros Contos" - Stephen Crane - 7/10
  • 32."O Primo Basílio" - Eça de Queiroz - 9/10
  • 31."Filho de Deus" - Cormac Mccarthy - 8/10
  • 30."A Maldição de Edgar" - Marc Dugain - 6,5/10
  • 29."O Homem em Queda" - Don Delillo - 7/10
  • 28."Sequestro em Directo" - Sebastian Fitzek - 7,5/10
  • 27."As Dez Figuras Negras" - Agatha Christie - 7/10
  • 26."Os Pecados do Lobo" - Anne Perry - 6/10
  • 25."A Canção de Kali" - Dan Simmons - 7/10
  • 24."As Velas Ardem Até ao Fim" - Sándor Márai - 8,5/10
  • 23."Ladrão de Almas" - Yrsa Sigurdadottir - 7/10
  • 22."20 Navios - Crónicas" - Ruy Guerra - 5,5/10
  • 21."Corpo de Delito" - Patricia Cornwell - 7/10
  • 20."O Corrupto e o Diabo"- Paulo Morgado - 7/10
  • 19."The Ignorance of Blood" - Robert Wilson - 7,5/10
  • 18."Tóquio Ano Zero" - David Peace - 8/10
  • 17."Noites de Cocaína" - J.G.Ballard - 7/10
  • 16."O Triunfo do Bastardo" - Tom Sharpe - 9/10
  • 15."Telefona se Precisares de Mim" - Raymond Carver - 7,5/10
  • 14."Assassini" - Thomas Gifford - 9/10
  • 13."Bala Santa" - Luís Miguel Rocha - 1/10
  • 12."O Homem que Corrompeu Hadleyburg" - Mark Twain - 8/10
  • 11."Como Tornar o Benfica Campeão" - José Veiga - 5/10
  • 10."A Tábua de Flandres" - Arturo-Perez Reverte - 7,5/10
  • 9. "Requiem para D. Quixote" - Dennis McShade - 7/10
  • 8. "Wilt em Parte Incerta" - Tom Sharpe 7/10
  • 7. "Mata-me se Puderes" - Peter James - 7/10
  • 6. "Wilt na Maior" - Tom Sharpe - 7,5/10
  • 5. "A Mão Direita do Diabo" - Dennis McShade - 7/10
  • 4. "Os Detectives Selvagens" - Roberto Bolaño - 9,5/10
  • 3. "Loja dos Suicídos" - Jean Teulé - 7/10
  • 2. "A Alternativa Wilt" - Tom Sharpe - 7,5/10
  • 1. "Wilt" - Tom Sharpe - 8/10